Já pensou em fazer estágio na Câmara dos Deputados?

Conheça o Programa-Estágio Visita, e saiba o que realmente acontece na Câmara

Se você possui interesse em conhecer de perto os trabalhos realizados pela Câmara dos Deputados, o “Programa-Estágio Visita de Curta Duração” permite que universitários  – e também pós-graduandos -, de qualquer área do saber, e de todo o país, vivenciem um pouco das atividades parlamentares.

Para participar, os estudantes precisam contatar os Deputados de seus Estados, solicitando que eles o indiquem para o Programa.
~Normalmente, todos os alunos que não possuem contato direto com os políticos, enviam e-mails para todos, até conseguirem a indicação. É que cada deputado pode indicar 1 aluno por semestre, para que a cada mês (aproximadamente), formem-se turmas de no máximo 80 alunos.~

Os alunos indicados saberão, por e-mail, das fases da seleção – se foi indicado pelo Deputado e, posteriormente, se foi selecionado e poderá se inscrever no programa. 

Importante 1

O estágio não é remunerado, mas o estudante recebe uma ajuda de custos de R$ 150,00 para arcar com as despesas de alimentação e hospedagem durante a realização do Programa.

Importante 2

No momento, o processo seletivo está cancelado por conta da pandemia. Mas, o quanto antes você contatar um deputado, melhor… quiçá consiga ser indicado e poderá se inscrever para a próxima edição do programa de estágio.

E vale a pena participar do Programa?

Leia os depoimentos de alguns dos estudantes que participaram da edição dez. 2019 do Programa-Estágio

Alice Rodrigues – Recife/PE
estudante de Ciência Política (UFPE)

“O estágio-visita propõe oportunidades que vão além das prometidas institucionalmente pelo contrato, a troca cultural entre pessoas de todos os lugares do Brasil nos enriquece humanamente e profissionalmente, por nos tirar da nossa bolha social e nos lançarmos, propositalmente, no coração do Brasil. 
O Programa nos apresenta ao que chamamos na área de Ciência Política de Politics, ou seja, os processos políticos; como a Casa do Povo, se organiza para o funcionamento das comissões, como acontecem os pronunciamentos, como são feitas as tomadas de decisões, quais parlamentares exprimem maior influência e respeito na Casa, como o poder das mídias sociais afeta o comportamento dos parlamentares, entre outras realidades que a divulgação e acompanhamento desse trabalho pela imprensa não consegue capturar. Essa realidade é de suma importância para qualquer cidadão brasileiro, em detrimento a formação do seu pensamento político e, até mesmo, num aspecto de accountability vertical. 
Para uma pesquisadora da área, como é o meu caso, o estágio me proporcionou a inspiração para realização de vários temas para desenho de pesquisa, a partir do contato extra teórico que tive na Câmara. A fim de desenvolver fomento científico para devolver à sociedade o investimento imposto em mim na realização do programa.”

Ana Vitória Castro Brito – Manaus/AM
estudante de Direito (ULBRA)

“Foi uma experiência engrandecedora e rica em conhecimentos, uma realização não só profissional como também pessoal. Pudemos conhecer de pertinho o funcionamento do legislativo, o qual só víamos pela tv e internet, acompanhamos algumas audiências públicas e participamos de várias atividades. Foi incrível estagiar na câmara dos deputados durante uma semana e representar o meu estado, recomendo a todos que puderem ter a oportunidade.”

Gabriella Valente – Goiás/GO
estudante de Direito (UFG)

“O Estágio-Visita na Câmara dos Deputados é uma das formas mais palpáveis para um estudante entender a política nacional. Por meio da imersão e da vivência em Brasília, os conhecimentos teóricos são absorvidos de uma forma profunda. Uma semana na ‘Casa do povo’ ensina muito sobre a importância da democracia que, por sua vez, se sustenta pelo diálogo. Em contraste com as manifestações de rua que pedem o retorno da ditadura, o Estágio-Visita fortalece nos participantes a consciência de cidadania porque nos relembra que o debate e a diversidade de ideias são vitais para o presente e futuro do Brasil. Consequentemente, a política passa a parecer menos alheia à nossa vida, e mais uma parte integrante dela. Se fosse possível resumir a experiência em uma lição acadêmica e de cidadania, ela seria a de que todos nós devemos ser interessados pela política.”

Jonathan Henrique Ortener da Silva – Curitiba/PR
estudante de Direito (PUC/PR)

“Minha participação no Estágio-Visita foi uma experiência de conhecimento teórico e prático sobre a Democracia Brasileira.  Uma experiência capaz de demonstrar a importância da Política e da Democracia no Estado Brasileiro, bem assim, fez ver a importância de cada cidadão brasileiro na construção de uma política séria e participativa, rompendo-se, assim, o estigma da atual conjuntura política brasileira.”

Kevin Pontes Ribeiro Felipe – Belém/PB
estudante de Direito (UEPB)

“O Estágio Visita da Câmara dos Deputados é uma experiência única por vários motivos, dos quais eu destaco o intercâmbio cultural, a troca de experiências sociais e acadêmicas com pessoas das diferentes regiões e de diferentes cursos de graduação e pós-graduação, a vivência política e todo o ritmo frenético dos Deputados, assessores e servidores da Casa, e a enxurrada de conhecimentos sobre política e participação dos mais diversos seguimentos da sociedade nesse mundo. Enfim, foi uma semana sensacional, que vai ficar para sempre na minha memória por todas as amizades e conhecimentos que adquiri no Coração do Brasil!”

Laryssa Virgílio Pereira de Araújo – Maceió/AL
estudante de Pedagogia (UFAL)

“O estágio visita é uma experiência ímpar e contribuiu de maneira significativa para minha formação enquanto cidadã e acadêmica. Conhecer a vivência política na prática de maneira intensa, através dos debates, palestras e as simulações proporcionou a compreensão da importância do poder legislativo. Reafirmando através das trocas de experiências a importância da democracia, descobrindo o trabalho dos Depurados federais e o papel do legislativo. Como futura pedagoga estou sempre em busca de novos conhecimentos e o estágio fez com que meu interesse na educação ganhasse novos horizontes, passei a perceber a importância de pessoas na área da educação dentro do legislativo.”

Leonardo Ferrari – Araras/SP 
estudante de Direito (UNAR ARARAS)

“Eu acho que todo cidadão e estudante deveria fazer esse estágio, conhecer o núcleo do Poder Legislativo nacional é fundamental para nossa formação política e agrega conhecimento para todas as áreas da nossa vida, muita gente não faz ideia do que acontece nos bastidores dos prédios que decidem o futuro de todos nós. Experiência única.”

Paulo Henrique Marinho Lopes – Osasco/SP
estudante de Educomunicação (USP)

“Participei do programa estágio-visita na Câmara dos deputados, nesse excelente programa pude vivenciar os bastidores dos parlamentares do Brasil. Como estudante de áreas como Comunicação e Educação, vindo de uma escola pública, pude contribuir com meus conhecimentos acadêmicos  em diálogo direto com parlamentares e pessoas de todo o Brasil.
Foi uma emoção muito grande poder resistir e erguer uma bandeira LGBT e as ideias que eu defendo, símbolo da luta, estagiando em um espaço de controvérsias, disputas de discursos e opressões como nosso congresso. Então, posso dizer que sem dúvidas o programa contribuiu para minha trajetória, inclusive acadêmica, com princípios essenciais para exercer a cidadania.
O programa ensina sobretudo que não estamos sozinhos na luta, que há representação, enquanto houver democracia haverá luta pelas ideias. E todo mundo, mesmo que com diferentes planos e interesses do jogo político, deseja o melhor para o país.”

Raryson Alexandre Cavalcante – Natal/RN
estudante de ciências contábeis (UFRN)

“Participar do estágio visita foi uma das experiências mais enriquecedoras da minha vida. Através do programa pudemos ver e sentir a chama acesa da democracia no poder mais plural do Estado. A casa que abriga e representa a nossa sociedade.
Durante o estágio realizamos ações e discussões sobre fake news e ainda vivenciamos uma simulação de como é a atuação de um parlamentar.
A experiência também agregou muito na vida acadêmica. O contato com jovens de todas as regiões do país, a plularidade de pensamento e história de vida trazida por cada um, refletem a imensidão do Brasil. E toda essa interação entre os universitários que carregam experiências de trabalhos e projetos de pesquisas realizadas em suas universidades, muito agrega aos participantes que podem ver novos horizontes de trabalho, sem falar no networking que temos para indicar/ser indicados entre os participantes deste projeto.”

Para finalizar, duas fotografias com a turma toda

WhatsApp Image 2020-05-07 at 22.01.43 (1)WhatsApp Image 2020-05-07 at 22.01.43

 

Para mais informações sobre o Programa-Estágio Visita de Curta Duração, clique aqui.

 

Gostou?Assine nosso blog e acompanhe nossas postagens pelo instagramfacebook e twitter.

Ah… e divulgue para os amigos que querem publicar!


Ajude a mantermos nossos canais!

Temos uma parceria com a Amazon, que nos remunera a cada cadastro para conhecer a Amazon Prime.
O cadastro é rapidinho, e você usufruirá do programa gratuitamente, por 30 dias.
O link é esse aqui: https://amzn.to/2ysVWnr
(ou conheça alguns dos livros que já editamos – ou fizemos a revisão técnica -, e aproveite os descontos especiais clicando aqui)
importante: só recebemos se o cadastro (ou a compra) for feito imediatamente, antes de navegar por outros espaços do site.

Gratidão. 🥰





Periódicos qualis A com chamadas em aberto

A Revista Brasileira de Políticas Públicas (A1) e a Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica (A2) estão recebendo artigos para seus próximos volumes.

A Revista Brasileira de Políticas Públicas é uma publicação do Programa de Mestrado e Doutorado em Direito da UniCEUB. Ela está recebendo, até 30/05/2020, artigos originais e inéditos para um dossiê temático, Gênero, raça e direito – articulações empíricas e epistemológicas, que devem versar sobre os seguintes temas:

  • teoria crítica da raça e pesquisa de gênero;
  • feminismo negro e pesquisa jurídica;
  • feminismo decolonial e pesquisa jurídica;
  • políticas públicas nos marcos da articulação de gênero e raça;
  • o uso da interseccionalidade, amefricanidade, decolonialidade, pós-colonialidade, teoria crítica da raça – aproximações e distânciamentos das teorias no e para o direito;
  • articulações de gênero e raça nas criminologias críticas.

Você pode acessar maiores informações aqui.

A Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica, do Instituto de Hermenêutica Jurídica, recebe artigos originais e inéditos continuamente. Estuda sobre o tema e precisa/quer publicar, as diretrizes para os autores estão aqui.


Boa sorte 😉

Ajude a mantermos nossos canais!
Temos uma parceria com a Amazon, que nos remunera a cada cadastro para conhecer a Amazon Prime!
O cadastro é rapidinho e você usufruirá do programa sem pagar nada, por 30 dias.
O link é esse aqui: https://amzn.to/2BP5QO9
importante: só recebemos se o cadastro for feito imediatamente, antes de navegar por outros espaços do site.

Chamada para publicação – Comunicação Estratégica e Dinâmicas Cívicas

Edição especial da revista Ciências e Políticas Públicas.

“Na perspetiva de muitos sociólogos, incluindo Bauman (2000), a sociedade contemporânea – também denominada de pós-moderna – é percebida como mais dinâmica e volátil, onde as relações humanas são de menor permanência, não sendo agora conduzidas pelos padrões éticos da modernidade. A contingência da sociedade atual promove o surgimento de novas redes organizacionais e movimentos sociais baseados no aumento da participação dos cidadãos.

Neste contexto, os grupos marginalizados e dominantes utilizam a comunicação estratégica de modo a obter voz e legitimidade nas esferas públicas. Contribuindo para a participação cívica, a comunicação estratégica pode ser usada por movimentos ativistas para alterar o equilíbrio de poder e desafiar grupos dominantes.

Para esta edição especial esperam-se artigos que estudem ou reflitam sobre:

  1. Os variados papeis que a comunicação estratégica poderá desempenhar de modo a possibilitar a mudança social;
  2. A comunicação estratégica para a construção da democracia e desenvolvimento;
  3. Interação entre tecnologias e ferramentas para a comunicação e dinâmicas cívicas;
  4. Práticas de participação cívica e as suas características no contexto da diplomacia pública e corporativa;
  5. Objetivos e promulgação dos movimentos cívicos, incluindo o seu “lado sombrio” (estudos de caso serão considerados);
  6. A retórica dos movimentos cívicos (estudos de caso serão considerados).

Editores Convidados:

Sónia Pedro Sebastião (CAPP/ISCSP/Universidade de Lisboa). Contacto: ssebastiao@iscsp.ulisboa.pt
Doutora em Ciências Sociais com especialização em Ciências da Comunicação e Professora Associada com Agregação em Comunicação Estratégica, e investigadora no CAPP (FCT-ISCSP) no grupo Sociedade, Comunicação e Cultura, onde desenvolve investigação nas áreas de Relações Públicas, Comunicação Estratégica, Cidadania e Cultura. É a coordenadora da equipa portuguesa no European Communication Monitor e a Coordenadora Científica e Pedagógica da Unidade de Coordenação em Ciências da Comunicação do ISCSP, Universidade de Lisboa.

Dejan Verčič (University of Ljubljana).
Contacto: dejan.vercic@fdv.uni-lj.si
Professor e Chefe do Departamento de Comunicação na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Ljubljana e parceiro na consultadoria de Comunicação Estratégica Stratkom d.o.o., Eslovénia. Possui Doutoramento na London School of Economics e foi detentor de uma bolsa Fullbright na San Diego State University, EUA. A sua pesquisa foca temas como globalização e comunicação estratégica. Foi também o Presidente da rede http://www.euprera.org, membro da equipa no projeto http://www.communicationmonitor.eu. Desde 1994 que organiza a conferência http://www.bledcom.com. Em 2016 recebeu o IPR Pathfinder Award, a maior honra académica do Institute for Public Relations (IPR).

Textos aceites: originais, pesquisa empírica e ensaios.


Prazos:

  • 30 de abril de 2020: prazo para a submissão de um resumo estruturado (objetivo, metodologia, resultados, implicações, principais contribuições) até 250 palavras, em Português ou/e Inglês.
  • 31 de maio de 2020: prazo para comunicação de decisões sobre os resumos submetidos.
  • 05 de setembro de 2020: prazo para a submissão de artigos completos (escritos em português ou inglês).

Por favor incluir no assunto do e-mail Edição Especial em Comunicação Estratégica & Dinâmicas Cívicas. Os artigos submetidos serão avaliados em regime de revisão por pares em duplo anonimato. No caso de o artigo submetido ser aceite para publicação, os autores terão de submeter uma versão em inglês. O Centro de Administração e Políticas Públicas providenciará serviços de revisão de texto, caso sejam necessários, sem custos para os autores.

Informação para autores:

  1. Os artigos deverão ser escritos em português ou inglês. Se o artigo for aceite, será necessário submeter uma versão em inglês. A clareza e qualidade dos textos serão essenciais.
  2. Os artigos deverão incluir um resumo até 250 palavras em português e um segundo resumo em inglês. Deverão ainda ser incluídas três a cinco palavras-chave com cada resumo.
  3. A dimensão dos artigos submetidos deverá ser entre 5.000 a 7.500 palavras.
  4. Os artigos deverão ser submetidos de acordo com as normas APA (6ª edição).
  5. Os autores deverão submeter dois ficheiros em formato .doc, .docx ou .rtf: 1) carta de apresentação com título, resumo, palavras-chave, notas biográficas dos autores (até 200 palavras), afiliação institucional e contactos (por favor providencie a indicação de qual será o autor de contacto); e 2) artigo sem informação sobre os autores de modo a assegurar o processo de revisão em anonimato.
  6. Os dois ficheiros deverão ser enviados como anexo por e-mail em formato .doc, .docx ou .rtf para o e-mail cappedicoes@iscsp.ulisboa.pt.

Para qualquer informação: cappedicoes@iscsp.ulisboa.pt.

Ajude a mantermos nossos canais!
Temos uma parceria com a Amazon que nos remunera a cada cadastro para conhecer a Amazon Prime! É rapidinho!
https://amzn.to/2BP5QO9

Cursos gratuitos na Escola Superior de Gestão e Contas Públicas

A Escola Superior de Gestão e Contas Públicas publicou um rol de cursos (que reproduzimos aqui) previstos para o mês de setembro. As inscrições são gratuitas e as vagas limitadas.

Controle Social e o Ciclo Orçamentário

Licenciamento Ambiental

Sistema de Gestão da Qualidade – Norma ABNT NBR ISO 9001 Aspectos Práticos para Implantação

Contratação Direta: a lei e o processo

Direitos Humanos na Perspectiva étnico-racial

Controle Social e o Ciclo de Políticas Públicas

Instrumentos para a prática do controle social

Gestão de Pessoas no Setor Público – Processo Administrativo Disciplinar

Ética e Filosofia Política

Matemática Financeira

A Judicialização da Política – uma perspectiva sociológica sobre a Lei de Improbidade Administrativa no Brasil

Pregão: temas atuais

Planejamento e Controle na gestão do Sistema Público de Saúde Módulo II

Avaliação de Políticas Públicas: conceitos, tipologias e aplicações


+ informações e inscrições aqui.

Chamada de artigos – Revista Direitos Humanos Fundamentais (qualis B2)

A Revista Direitos Humanos Fundamentais é uma publicação semestral editada pelo Programa de Pós-Graduação em Direito do UNIFIEO, que tem como finalidade constituir instrumento de veiculação de trabalhos científicos e doutrinários relacionados à Positivação e Concretização Jurídica dos Direitos Fundamentais e dos Direitos Humanos. Sendo assim, a proposta de linha editorial a ser seguida pela Revista é apresentada a partir dos seguintes temas:
1) Fundamentação filosófica dos direitos humanos e teoria dos direitos fundamentais;
2) Direitos fundamentais em sua dimensão material; 
3) Problematização e atualidade dos direitos fundamentais;
4) A tutela dos direitos fundamentais perante a ordem política, social e econômica; 
5) A tutela dos direitos humanos perante a ordem internacional; 
6) Educação, Metodologia e Pesquisa em direitos humanos fundamentais;
7) Colisão e controle dos direitos fundamentais;
8) Instrumentos processuais;
9) Políticas públicas em direitos humanos;

Os trabalhos e artigos publicados na Revista devem enquadrar-se nos eixos temáticos que compõem a linha editorial. O recebimento de propostas é contínuo e, eventualmente, a critério do conselho editorial, uma edição especial da Revista pode ser elaborada e dedicada a somente um dos eixos temático, ou mesmo, a uma de suas subdivisões.


+ informações aqui.